Universitário da fronteira: em busca de novas ideias

Antes de visitar às empresas, universitários conversam o diretor executivo do CIDE.
Antes de visitar às empresas, universitários conversam o diretor executivo do CIDE.

 

Uma turma de universitários do curso de Administração da Universidade Federal do Amazonas (UFAM) de Benjamin Constant, município a 1.120 Km de Manaus, sai por primeira vez da sua cidade para conhecer as empresas instaladas no Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE), conversar com os empreendedores e entender o processo de administração de uma incubadora.

Para chegar ao CIDE, em Manaus, o grupo de acadêmicos teve de realizar vários pequenos eventos, como rifas e sorteios, para conseguir o dinheiro e comprar as passagens de ida e de volta. “Eu ouvi falar do CIDE em um evento internacional e me interessei por conhecer mais sobre essa instituição, e surgiu a oportunidade de trazer os estudantes com a finalidade de que eles possam desenvolver ideias empreendedoras e colocá-las em prática no seu município. Na verdade, o interior é carente de tudo e aceitamos o desafio de tomar iniciativas empreendedoras e inovadoras onde há carência e pobreza. É possível”, diz o professor Antônio Conceição, que nasceu em Manaus, mas trabalha em Benjamin Constant.

Segundo o grupo, a viagem até a capital durou quatro dias de barco. “O curso tem disciplinas de Empreendedorismo, Cooperativismo, Associativismo e essa visita faz parte de um projeto que queremos implantar na universidade, e esses alunos vão ser uma espécie de sementes para outros estudantes daquela cidade, de modo que possamos incentivá-los a tomar iniciativas, a tomar decisões e criar oportunidades de negócios ”, conta Conceição, dizendo também que, ao voltar, a turma vai realizar um pequeno evento para contar suas experiências na incubadora.

Contato Direto

A estudante de Administração, Taíza da Silva, veio com a delegação e conversou com os empreendedores.

“Lá, em Benjamin Constant, nós não temos contato com esse ambiente de fábricas e empresas. Então, a nossa finalidade aqui é ter um contato direto com os empreendimentos, conhecer a história dos empresários e ter novas ideias que possamos desenvolver dentro e fora da universidade”, diz Taíza.

Antes de visitar as empresas, os universitários ouviram uma palestra com o diretor executivo da incubadora, José Grosso, e foram divididos em grupos para falar pessoalmente com os empresários. “Para os estudantes do interior do Amazonas as coisas são mais difíceis. Mas fico muito feliz que eles já superaram a etapa de sair do seu local acadêmico para conhecer novos ambientes. Espero que sejam grandes empreendedores e possam ajudar outras pessoas, e desenvolvam as atividades comerciais em Benjamin Constant”, conclui Grosso.

Acadêmicos conhecem fábrica de temperos regionais.
Acadêmicos conhecem fábrica de temperos regionais.

 

 

Universitários registram sua primeira visita a uma incubadora de empresas.
Universitários registram sua primeira visita a uma incubadora de empresas.

 

 

Empresária do segmento de Doces Regionais conversa com os visitantes.
Empresária do segmento de Doces Regionais conversa com os visitantes.

 

 

No auditório do CIDE, universitários veem vídeo institucional.
No auditório do CIDE, universitários veem vídeo institucional.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Entrevista: O homem empreendedor

Moysés Israel trabalha desde os 11 anos de idade.
Moysés Israel trabalha desde os 11 anos de idade.

 

 

 

Tivemos a oportunidade de entrevistar o amazonense e idealizador do Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE), Moyses Benarros Israel, que começou a trabalhar aos 11 anos de idade. Foi limpador de escritório, entregador de bombons, sonhou em ser químico industrial, foi Vice-Presidente do Banco do Estado e é o atual Vice-Presidente da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (FIEAM).

Como surgiu a ideia da criação do Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial?

Em uma ocasião, tomando café com meu amigo Raimar Aguiar comentei o assunto de dar oportunidades aos pequenos empresários que têm ideias, mas pouco capital para colocá-las em prática. E falei também que precisávamos de um local adequado, no qual esses empreendedores pudessem desenvolver seus projetos e, depois, caminhar sozinhos.

Então, ele me disse que o espaço físico nós tínhamos, que era um local que foi usado pelo Projeto Rondón*, com o apoio da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), localizado em uma área próximo ao Distrito Industrial, onde funciona o CIDE hoje. Começamos a rabiscar o projeto do qual deveríamos ir conversar com a Suframa.

Uma vez que tivemos o apoio da superintendência, começamos a colocar em prática a ideia. Pensávamos grande, lá na frente. A incubadora de empresas deveria ter um espaço para as empresas de tecnologia e de software. E, o que um dia serviu de espaço de dormitório para estudantes, iria se transformar em um espaço cibernético. Iniciamos também, a construção de pavilhões maiores para acolher empresas de outros segmentos. E, com a ajuda da Universidade Federal do Amazonas (UFAM), instalamos um laboratório de química na incubadora, o qual era usado por professores e estudantes universitários que realizavam análises químicas para colégios e empresas locais. Foi a primeira atividade realizada na incubadora.

Foi eleito como diretor executivo, o senhor Fernando Loureiro, que deu continuidade ao projeto.

Para atrair interessados, fizemos anúncios nos jornais e criamos um modelo de trabalho que deveria ser respeitado pelos empresários que queriam se instalar na incubadora. Então, começaram a surgir segmentos de biojoias, perfumes e outros.

O senhor sonhou alguma vez com a criação de uma incubadora? (risos)

Eu não inventei nada porque incubadoras de empresas já existiam em outros lugares. O que eu fiz foi aplicar conhecimentos adquiridos em minhas viagens ao Chile, a centros acadêmicos, em leituras pessoais sobre esse assunto e oferecer oportunidades à demanda local. Percebemos que era um projeto possível de desenvolver-se em Manaus.

Além disso, minha vida esteve sempre ligada ao ambiente acadêmico e ao empreendedorismo. Eu era membro do conselho da UFAM e viajava a trabalho para assinar convênios e intercâmbios. Como diretor do Instituto Euvaldo Lodi (IEL-Amazonas), tínhamos um projeto de visitas de estudantes às empresas do Polo Industrial de Manaus, onde eles presenciavam desde a chegada do funcionário à fábrica até o processo de desenvolvimento dos produtos, como relógios e televisores. Inclusive, os estudantes almoçavam com os profissionais. A ideia era desenvolver no aluno o interesse pelo processo de produção. Aquele aluno visitante e, às vezes, estagiário seria o futuro empreendedor, o dono de uma fábrica.

 

O senhor respira empreendedorismo?

Sim. Eu comecei a trabalhar muito cedo, aos 11 anos de idade. Meu pai tinha um comércio e era representante de empresas. Após a morte dele, minha mãe alugou o negócio e fui trabalhar com os meus tios. A essa idade eu tinha de tirar a poeira do escritório, limpar o banheiro e abrir a porta para os funcionários. E, entregava protocolos. Paralelamente a essas atividades, eu estudava e fazia o curso de datilografia que, naquela época, era importantíssimo.

 

Hoje, o CIDE não é a única incubadora de empresas na cidade. O senhor acha que a sua ideia foi multiplicada?

As instituições de educação e pesquisa reconhecem a importância de ter incubadoras de empresas. É importante fomentar e desenvolver novas ideias, e contribuir com o desenvolvimento da sociedade. Queremos agora, ajudar a Universidade do Estado do Amazonas (UEA) a iniciar a interiorização das incubadoras.

* Criado em 11 de julho de 1967, o Projeto Rondon promovia atividades de extensão universitária levando estudantes voluntários às comunidades carentes e isoladas do interior do país, onde participavam de atividades de caráter notadamente assistencial, organizadas pelo governo.

Entrada da instituição criada por Moyses Israel, o Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE).
Entrada da instituição criada por Moyses Israel, o Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

}

Sai novo edital para ideias inovadoras

Representantes de diversas instituições de pesquisa participam do lançamento do Sinapse
Representantes de diversas instituições de pesquisa participam do lançamento do Sinapse

 

Na tarde de ontem, 29, foi lançado o edital do Sistema de Incubação Acelerada de Projetos, Soluções e Empreendimentos (programa Sinapse), para ideias inovadoras em diversos segmentos. Os interessados devem inscrever os projetos até 11 de junho pelo site www.am.sinapsedainovacao.com.br

De acordo com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (FAPEAM), os participantes precisam passar por três fases durante as quais recebem capacitação e devem apresentar, além da proposta de ideia inovadora, um projeto de empreendimento e um projeto para o fomento. Ao final, os 40 projetos selecionados e aprovados receberão R$ 50 mil.

Todo o processo será acompanhado por uma equipe técnica, na qual está o Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE) e outras incubadoras de empresas, e instituições acadêmicas e de pesquisa.

 

 

 

Incubadoras de empresas participam de Workshop de inovação

A diretora presidente da FAPEAM, Maria Olívia Simão, apresenta o programa aos gestores de incubadoras.
A diretora presidente da FAPEAM, Maria Olívia Simão, apresenta o programa aos gestores de incubadoras.

Representantes do Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE), de centros tecnológicos, de universidades públicas e particulares, estiveram reunidos na tarde de quarta-feira (25), para conhecer o Programa de Empreendedorismo Inovador, o SINAPSE da Inovação, que vai fomentar a criação de empreendimentos inovadores a partir de ideias geradas por estudantes, pesquisadores e profissionais de diversas áreas.

Para o diretor executivo do CIDE, José Barbosa Grosso, a iniciativa vai valorizar os ambientes acadêmicos e de pesquisa. “Nesse encontro tivemos a oportunidade de conhecer o panorama do empreendedorismo no Amazonas, as tendências, as necessidades, as demandas e as ideias inovadoras de alguns estudantes universitários. Portanto, agora, devemos trabalhar para que essas ideias se transformem em negócios, atendendo a necessidade de setores da sociedade”, disse.

O encontro aconteceu no hotel Caesar Business por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Amazonas (FAPEAM), em parceria com a Fundação Centros de Referência em Tecnologias Inovadoras (Certi), do Estado de Santa Catarina–SC, e serviu como primeiro contato com as instituições interessadas em participar do programa-piloto.

Representantes do CIDE realizam os trabalhos propostos pelos palestrantes.
Representantes do CIDE realizam trabalhos propostos pelos palestrantes.