• 92 3216-3892
  • secretaria@cide.org.br

Arquivo da tag empresas

Saber escutar os jovens fora da sala de aula

Estudantes aprendem a elaborar perfumes.

Estudantes aprendem a elaborar perfumes.

Estudantes do Ensino Médio continuam procurando referências práticas, no Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE), para complementar os estudos de sala de aula. No mês de agosto foram os alunos da Escola Estadual Sant´Ana, situada no bairro Petrópolis, e os estudantes do Instituto Federal do Amazonas (IFAM), que estiveram visitando empresas de cosméticos, instaladas na incubadora, com o objetivo de adquirir conhecimentos do processo químico pelo qual passa a elaboração de perfumes, sabonetes e hidratantes, feitos com produtos regionais.

Conforme a professora de Química, Giselle Alves, os estudantes adquirem conhecimentos dentro e fora da escola. “A nossa escola, além de transmitir o conhecimento teórico, realiza atividades práticas, como feiras de ciências. Portanto, o motivo da nossa visita é conhecer como as empresas de cosméticos elaboram seus produtos e como eles são comercializados. Isso incentiva os alunos a melhorar a sua formação”, diz a docente.

Dar exemplos é o melhor exemplo

Divididos em grupos, os estudantes tiveram a oportunidade de perguntar e tirar dúvidas, e ver como são preparados os produtos das empresas Perfumes da Amazônia e Cheiro D´Folha, que usam essências da floresta. “A produção de cosméticos diante dos alunos de Química é algo maravilhoso. Futuramente, podemos ter novos empreendedores nessa área”, conta Giselle, a professora que recebeu uma autêntica aula de como produzir um perfume.

Diante do empreendedor Elton de França, os escolares aprenderam a misturar as substâncias básicas para a elaboração de um perfume. “É muito gratificante que o nosso trabalho desperta interesse de muitos jovens. É um sentimento de dever cumprido, não somente do lado financeiro, mas também do lado social”, diz França.

Para os empresários visitados, o exemplo é a melhor forma de expressão aos jovens estudantes que procuram superar desafios. “Os exemplos de sucesso motivam os estudantes, dá confiança para aqueles que ainda estão escolhendo a profissão. Portanto, o sucesso de outros funciona como estopim para a tomada de decisões para quem deseja empreender”, complementa França.

Estudantes conhecem novas fragâncias na empresa Cheiro D´Folha.Estudantes conhecem novas fragrâncias na empresa Cheiro D´Folha.

Visitantes falam diretamente com os empreendedores.
Visitantes falam diretamente com os empreendedores.

Estudantes do Instituto Federal do Amazonas (Ifam), no CIDE.Estudantes do Instituto Federal do Amazonas (Ifam), no CIDE.

Capacitação: mais uma formação concluída

Empreendedores e o coach Magela, na sala de formação do CIDE.

Empreendedores e o coach Magela, na sala de formação do CIDE.

 

O período de formação, que tem como objetivo melhorar a estrutura funcional das empresas instaladas no Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE), concluiu mais uma etapa, no último dia 31 de agosto, nas salas de capacitação da incubadora de empresas.

Empresários de vários segmentos fizeram o curso com o economista e consultor, Geraldo Magela, apoiados pelo Departamento de Assistência à Média e Pequena Indústria (DAMPI), da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (FIEAM).

Para o mês de setembro estão programados novos encontros de capacitação.

A formação está estruturada de três etapas, em meses diferentes, passando pela Profissionalização da Gestão, Identidade Organizacional das Empresas e Planejamento Estratégico. “A formação tem a finalidade de corrigir os principais erros nas gestões consideradas ‘familiares’, nos aspectos financeiros e no processo empresarial”, diz Magela.

Em cada capacitação, os empresários ouvem palestras de casos de sucesso, falam sobre sua situação empresarial e realizam dinâmicas que ajudam a atender melhor o processo empreendedor. “Para quem está começando um novo projeto na vida, o curso é muito importante porque começamos a organizar nossas informações, nossas ideias e criamos uma identidade sólida para nossa empresa e aperfeiçoamos outros valores”, destaca a empresária da Cheiro D´Folha, Waldelice Barreto.

 

A formação reuniu mais de 15 empresas.

A formação reuniu mais de 15 empresas.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Doutoranda da FGV de São Paulo realiza pesquisa no CIDE

A doutoranda da FGV-SP, Cassiane Jaroszewski (esq.), conversa com a técnica do CIDE, Rosália Padilha.

A doutoranda da FGV-SP, Cassiane Jaroszewski (esq.), conversa com a técnica do CIDE, Rosália Padilha.

 

Conversamos com a doutoranda em Administração Pública e Governo, da Fundação Getúlio Vargas de São Paulo, Cassiane Jaroszewski, que esteve no Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE) para conhecer as empresas incubadas e realizar pesquisas para a sua tese de doutorado.

 

Porque você escolheu o Amazonas?

Eu escolhi o Amazonas porque é o primeiro Estado da Federação a ter lei de Inovação Tecnológica, é o Estado que tem mais tempo de lei vigente e quero estudar como se aplica essa lei e quais são os seus frutos na economia local.

O Estado do Amazonas é especial porque, além do fato da lei de inovação, existe a questão da biodiversidade, ou seja, alinhar a inovação, respeitando os recursos naturais e sustentáveis. Isso é um grande desafio.

 

Qual é a importância do CIDE na sua pesquisa?

Estou em Manaus para conhecer o ambiente de inovação no Estado do Amazonas e minha visita ao CIDE tem a finalidade de entender as incubadoras de empresas como um espaço de promoção da Inovação, onde as empresas são capazes de utilizar o conhecimento científico, transformá-lo em produtos que vão ao mercado, dinamizando a economia local e trazendo retornos à sociedade.

Nessa visita ao CIDE, o que eu percebi foi o uso dos recursos naturais da Região no processo de fabricação dos produtos elaborados dentro da incubadora, bem como a dificuldade de conseguir matéria prima hoje para as pequenas empresas, porque as grandes empresas se antecipam e adquirem quase tudo. É uma dificuldade que precisa do apoio do governo para ser superada por meio de políticas.

 

O que pretende com sua tese de doutorado?

O que eu pretendo com minha tese de doutorado é mostrar ao poder público os problemas pelos quais passam as pequenas empresas, no campo da Inovação, e que o governo tem de ouvir os outros atores do processo, como as universidades, fundações, instituições de pesquisas, consumidores, e que as decisões devem ser tomadas em conjunto, com todos os participantes do processo inovador.

 

Além de Manaus, a pesquisadora já visitou incubadoras de empresas, universidades, instituições de pesquisas de São Paulo, e seguirá para Santa Catarina e Recife.

Ent1

 

 

Ent3

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Palestras no CIDE dão apoio às empresas

Cam2

Evento reuniu secretários estaduais, empreendedores e representantes de instituições de pesquisa.

 

O Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE) recebeu, no mês de abril, a 121ª reunião da Câmara da Micro e Pequenas Empresas, com o objetivo de discutir e informar sobre formação empresarial e divulgação de projetos empresariais por parte das secretarias estaduais, bem como intensificar o contato com as incubadoras de empresa.

 

Durante a reunião foram realizadas diversas palestras de apoio às empresas vinculadas a incubadoras. “Estou muito satisfeito com a participação de todos porque nessas reuniões, os empresários conhecem as instituições que podem dar apoio a seus projetos”, diz o diretor executivo do CIDE, José Barbosa Grosso.

 

O evento contou com as presenças do secretário executivo da Secretaria de Estado de Planejamento, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação (SEPLAN-CTI), Gustavo Igrejas, o secretário da Secretaria de Estado do Trabalho (SETRAB), Breno Ortiz, do vice-presidente da Junta Comercial do Estado do Amazonas (JUCEA), Caio Fernandes e da diretora da Rede Amazônica de Instituições em Prol do Empreendedorismo e a Inovação (RAMI), Jane Moura, e do licenciado em Letras, especialista em Comunicação e Expressão, Francisco Lavor.

Palestrantes falam para os empreendedores do CIDE.

Palestrantes falam para os empreendedores do CIDE.

 

Cam3

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Imprensa local fala com as empresas do CIDE sobre “cultura exportadora”

O diretor executivo, José Grosso, dá entrevista para o SBT Em Tempo

O diretor executivo, José Grosso, dá entrevista para o SBT Em Tempo

 

No mês de fevereiro, vários meios de comunicação se interessaram por falar sobre o tema da “cultura exportadora” nos pequenos e médios negócios.

 

Nesse contexto, o Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE) foi procurado por televisões e jornais locais para falar sobre esse assunto e mostrar as empresas que iniciaram a comercialização de seus produtos para outros lugares do Brasil e aspiram a ampliar esse comércio para outros países.

 

Para realizar a matéria jornalística sobre o assunto da “cultura exportadora”, os repórteres solicitaram ao CIDE uma entrevista com o diretor executivo da instituição, José Barbosa Grosso. “As empresas incubadas desfrutam de um ambiente privilegiado em relação aos novos negócios. E a ‘internacionalização’ de uma empresa incubada exige muita preparação, capacitação, pesquisa de mercado, apoio e participação em eventos nacionais e internacionais porque há normas nos lugares para os quais a empresa pretende enviar seus produtos, principalmente, quando se trata de outros países”, diz o diretor.

 

O diretor executivo enfatiza que há casos concretos de empresas, instaladas na incubadora, que passam por um processo de experiência de comercialização para grandes centros consumidores, como São Paulo, Brasília e outras capitais. “Uma forma de atingir esses objetivos é buscando parcerias com instituições financeiras, de pesquisa, de serviços, de fomento empresarial, com universidades, com instituições públicas. Trabalhar de forma isolada é perigoso porque os mercados são dinâmicos, se transformam com velocidade e contam com a ajuda de outros fatores”, diz José Grosso.

 

Ainda segundo o diretor executivo, empresas que estão instaladas em centros empresariais e tecnológicos são consideradas pequenas, com recursos limitados, mas pujantes, pensam grande, com ideias inovadoras e capazes de satisfazer as demandas de dentro e de fora de Manaus.

 

No CIDE, empresas como Amazon Doces, Temperos da Amazônia, Sabores de Tradição e a empresa de licores Sohervas, já experimentam a comercialização de seus produtos em prateleiras de outras capitais. “Vendemos pelo site, pelas redes sociais, pela loja virtual e pelo telefone. A venda na feira da Eduardo Ribeiro, representa 80% do nosso comércio para fora do Estado do Amazonas”, conta o empresário Marcos Agra.

FotoG9

 

O proprietário da Sohervas da Amazônia, José Cabral, fala para a televisão

O proprietário da Sohervas da Amazônia, José Cabral, fala para a televisão

 

FotoG10