FIEAM anuncia agraciados do prêmio “Industrial do Ano”

A empresária, Jane Barros (esq.), recebe certificado de curso, no CIDE.

A empreendedora Jane do Socorro Barros Ferreira, proprietária da Amazon Comércio de Doces Ltda, conhecida como “Amazon Doces”, empresa instalada no Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE), é a mais nova microempresária do ano, escolhida pela Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (FIEAM).

A solenidade da entrega dos prêmios acontecerá em maio, no Clube do Trabalhador do SESI, em Manaus, e conta com o apoio do Centro da Indústria do Estado do Amazonas (CIEAM).

A Amazon Doces atende à demanda de doces caseiros regionais, com o uso de frutas como araçá-boi, cupuaçu, açaí, buriti, castanha e muitos outros, e participa em feiras locais e nacionais, possui pontos de vendas nos principais shoppings de Manaus, gerando emprego e desenvolvimento ao Estado do Amazonas.

O outro agraciado é o empresário Cláudio Antônio Barrella, sócio diretor da Tutiplast Indústria e Comércio Ltda, na categoria microindustrial do ano. Fornecedora de soluções em injeção plástica há mais de 20 anos no Polo Industrial de Manaus (PIM), a Tutiplast tem mais de 650 produtos que atendem os segmentos de eletroeletrônico, mecânico, duas rodas, entretenimentos, higiene pessoal, relojoeira informática e produtos descartáveis.

A empreendedora Jane Barros.
Jane Barros recebe universitários na Amazon Doces.
Jane Barros apresenta a Amazon Doces para investidores belgas, no CIDE.

 

Empresas do CIDE em espaço de feira do Sebrae

O estande da Amazon Doces comercializou, além dos biscoitos, o ovo de Páscoa regional.

 

Empresas do setor da panificação, doces e cosméticos, instaladas no Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE), participaram do “6º Empório Sebrae Agronegócios”, no mês de março, para divulgar e comercializar seus produtos, e fazer novas parcerias de negócios, no pátio externo do Serviço Brasileiro de Apoio à Pequena e Média Empresa (Sebrae), no Centro de Manaus.

Devido à aproximação com a Semana Santa, o evento contou também com as presenças dos empreendedores do setor de pescados, verduras, hortaliças, laticínios, molhos e outros. Para o diretor executivo do CIDE, José B. Grosso, o evento Empório Sebrae gera novos negócios. “Essa iniciativa é o início para a captação de novos clientes, geração de novas parcerias e novos empregos. Vai além da exposição ou divulgação de produtos”, diz José Grosso.

Nessa edição, o Empório Sebrae ofereceu a possibilidade de degustar os produtos. “Todas as empresas recebem o apoio do Sebrae Amazonas por meio de programas setoriais que auxiliam no desenvolvimento de micro e pequenos negócios no Estado e o consumidor ganha a chance de comprar ingredientes frescos e por preços mais em conta, diretamente de quem produziu”, diz o analista técnico do Sebrae no Amazonas e organizador do evento, Leocy Cutrim.

Representantes da Sabores de Tradição na feira do Sebrae.
Consultoras de cosméticos da Amhy, empresa instalada no CIDE.

 

CIDE reserva espaço para Startups inovadoras

Espaço possui estacionamento, salas, banheiros e segurança

 

O Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE) reservou e preparou um espaço de 240 metros quadrados, conhecido como coworking (compartilhar o mesmo espaço de trabalho), para receber novas startups (negócios que estão começando). As três primeiras empresas a inaugurar o local já foram escolhidas por meio do programa Creative Startups, da Samsung, em parceria com a Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec), executora do programa.

Para saber mais sobre o projeto da multinacional, uma equipe do CIDE participou, no mês de fevereiro, do BootCamp, em São Paulo, evento que marca o início do processo de aceleração de startups selecionadas. “Nós vamos receber nesse momento três empresas escolhidas no Amazonas que vão ficar instaladas no nosso coworking. Durante nove meses esses jovens empreendedores serão monitorados pelo CIDE e receberão assistência contábil e jurídica, e um relatório vai ser entregue à Anprotec”, diz o diretor executivo do CIDE, José Grosso, que esteve no evento, juntamente com a consultora Elizabeth Araújo e alguns jovens que participam do programa.

O Programa

O Programa Creative Startups é resultado de uma parceria firmada em 2015 entre a Samsung, a Anprotec e o Centro Coreano de Economia Criativa e Inovação (CCEI), e tem como objetivo identificar, selecionar e oferecer suporte a empreendimentos inovadores em áreas de interesse da Samsung. “Nossa ida a São Paulo nos proporciona mais conhecimentos sobre o programa e nos ajuda a definir nosso papel no desenvolvimento de projetos inovadores”, diz o diretor executivo, recordando que houve ótima interação com os participantes e com outras incubadoras de empresas do Brasil.

A iniciativa tem o apoio do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicação (MCTIC) amparado pela Lei de Informática. “A startup melhor classificada de todos os projetos irá à Coreia do Sul para apresentar o seu projeto”, conclui José B. Grosso.

São 240 metros quadrados. O espaço é conhecido como coworking (compartilhar o mesmo espaço de trabalho).
Representantes do CIDE e os jovens associados da incubadora no evento da Samsung.
Durante o evento da Samsung, um vídeo institucional do CIDE foi exibido aos participantes.
Os jovens associados do CIDE, Marcos Farias e Wesley Monteiro, participam das atividades.

 

Empreendedores de inteligência artificial

O diretor executivo do CIDE, José Grosso, verifica a documentação dos novos associados.

 

Jovens estudantes de Ciência da Computação, Marcos Paulo Farias, Wesley Monteiro e João Paulo Fontenelle, desenvolveram um sistema de “bate-papo”, conhecido também como “chat”, para auxiliar os consumidores a tomar decisão na hora de realizar compras pela Internet. Eles são os novos associados do Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE)e pretendem fazer o lançamento experimental no mês de julho.

Segundo os estudantes, o diálogo ou “bate-papo” acontece entre a pessoa interessada em adquirir um produto e a máquina, uma espécie de robô. “Nós percebemos que muitas empresas estão adotando cada vez mais a inteligência artificial no seu processo comercial. Então decidimos criar um sistema que permite ao usuário escolher um produto de acordo com as suas necessidades, mostrando a ele os locais onde pode encontrar o que está buscando, comparar preços, como pagar, gastos de fretes, etc. O nosso foco é desde o conhecimento do produto até o fechamento da compra”, destacam os jovens empreendedores.

Para eles o CIDE joga um papel importante no desenvolvimento do projeto porque por meio da incubadora de empresas, os jovens terão uma relação mais forte com outras empresas. “Os contatos que tem o CIDE podem facilitar a divulgação e a venda do nosso produto. Queremos ampliar nosso network e pensamos que essa instituição pode nos ajudar”, diz Marcos Farias.

A inteligência artificial (IA) é um ramo da ciência da computação que se propõe a elaborar dispositivos que simulem a capacidade humana de raciocinar, perceber, tomar decisões e resolver problemas, enfim, a capacidade de ser inteligente.

Jovem empreendedor assina contrato no CIDE.
No CIDE, jovens empreendedores vão ter uma relação mais forte com outras empresas.
Para os jovens, os contatos que tem o CIDE facilitará a divulgação.

 

 

 

Farmacêutica tem sua própria linha de produtos

A farmacêutica, Larhicy de Souza (à dir.), trabalha em equipe.

 

Ela nasceu no Maranhão, estudou Farmácia em São Paulo, trabalhou em Manaus e hoje é uma das novas empreendedoras, instaladas no Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE), onde possui a empresa de cosméticos Amhy, realizando um sonho de estudante que era ter seu próprio negócio e gerar emprego.

“Quando eu cheguei a Manaus, eu trabalhei em duas grandes empresas de produtos farmacêuticos, mas eu sempre tinha aquela inquietude de produzir meus próprios cosméticos. Eu ganhava bem, mas sentia que faltava alguma coisa. Eu queria ter o prazer de ter a minha própria linha de produtos”, relata a proprietária da Amhy, Larhicy de Souza.

Ainda segundo Larhicy, o pai dela era um exemplo que ela queria seguir, já que ele também é um empreendedor. “Eu gosto de arriscar, de inovar, de tentar algo diferente. E, durante umas férias, eu decidi produzir meus primeiros produtos em casa para testar. Minha mãe desocupou um quarto de hóspede e eu comecei”, conta a empresária.

O primeiros passos deram tão certo que ela começou a divulgar os primeiros resultados. “Meus pais foram os primeiros a provar os produtos. Depois, eu divulguei para minhas colegas de trabalho e o negócio foi florescendo e eu comecei a fabricar produtos com essências da Amazônia”, diz Larhicy.

A farmacêutica acreditava tanto no seu potencial empreendedor que decidiu abandonar o emprego e buscou incubadoras de empresas. No começo, ela se instalou em uma incubadora universitária, mas o espaço foi ficando pequeno para o seu enorme sonho. “Eu não queria fabricar de maneira artesanal, eu queria que meus produtos tivessem certificações importantes e produzir em grande escala. Então eu procurei o apoio do CIDE, onde a estrutura é ampla e posso conseguir novas certificações, e realizar novos contatos”, diz a proprietária, lembrando que o começo não foi fácil.

A empresa de cosméticos de Larhicy começou bem no CIDE, nas primeiras semanas de instalação, ela teve a oportunidade de expor seus produtos para uma comitiva da Bélgica que visitou a incubadora para realizar novas parcerias. “Há momentos em que você tem vontade de desistir, mas você tem que persistir e não ter medo de errar”, finaliza ela.

Hoje, a Amhy possui 16 linhas de produtos, formadas por hidratantes, sabonetes, cremes para mãos e facial, difusores de ambientes e tantos outros.

 

Larhicy conta com duas colaboradoras.

 

A farmacêutica conversa com o embaixador belga em visita ao CIDE.

 

Larhicy procurou o apoio do CIDE.