AnprotecCide

Com o objetivo de discutir a busca de novos caminhos para que os ambientes de inovação ampliem suas conexões com os setores público e privado, vários gestores de incubadoras de empresas, representantes de centros de pesquisas, de universidades, de associações ligadas à inovação industrial, de parques tecnológicos e do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) estiveram reunidos, no 24º Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas, realizado pela Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec) e pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE), entre os dias 22 e 26 de setembro, em Belém do Pará.

Com o tema “Fronteiras do empreendedorismo inovador: novas conexões para resultados”, os participantes do evento discutiram sobre a busca de novos parceiros, como entidades, grandes empresas e investidores, em escala nacional e internacional.

Para o diretor executivo do Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE), José Barbosa Grosso, um dos desafios das incubadoras é o monitoramento das empresas instaladas. “Muitas empresas incubadas possuem uma boa ideia, mas não estão preparadas para dar continuidade no mercado, quando concluem o processo de incubação. Então, temos de ver o que está acontecendo com esses empreendimentos”, diz o gestor.

Ainda de acordo com o diretor do CIDE, o futuro das incubadoras é uma preocupação muito grande por parte da Anprotec. “Durante o evento, ouvimos casos de empresas incubadas que relataram seu desenvolvimento e falaram de seus trabalhos premiados e, realmente, podemos afirmar que a incubação é um processo que se renova cada ano e temos de acompanhar essas mudanças”, afirma José Grosso, acrescentando que novas ideias foram expostas ao longo das plenárias e que podem ser aplicadas no CIDE.

Também estiveram no seminário representantes das incubadoras da FUCAPI, do Instituto Federal do Amazonas (IFAM) e da Faculdade Marta Falcão.

} else {