Incubadoras de empresas trocam experiências para melhorar serviços

Consultoras da Anprotec conversam com os representantes das incubadoras
Consultoras da Anprotec conversam com os representantes das incubadoras

 

Com o objetivo de trocar antigas e novas experiências, sobre melhorias de planejamentos, consultorias, acompanhamentos aos empreendedores instalados em incubadoras de empresas, o Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE) e mais seis incubadoras de empresas do Amazonas participaram, em março, na Universidade do Estado do Amazonas (UEA), do evento Workshop para Incubadoras.

 

O encontro serviu também para compartilhar experiências da implantação da metodologia do Centro de Referência para Apoio a Novos Empreendimentos (CERNE), chamado de “metodologia CERNE”, que auxilia as incubadoras no processo de gestão de incubação empresarial.

 

O encontro foi realizado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Amazonas (FAPEAM) e a Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos de Tecnologias Avançadas (ANPROTEC). “Na verdade, o método CERNE é implantado de acordo com a realidade de cada incubadora participante. Nenhuma incubadora é igual a outra. Por isso, a metodologia não permite cópias. Mas, podemos ajustar o exemplo de uma incubadora conforme a realidade da minha incubadora”, diz a consultora da ANPROTEC, Evelin Cristina Astolpho.

 

A consultora lembrou também que o compartilhamento de informações e experiências faz parte das atividades desenvolvidas pela ANPROTEC para melhorar a gestão das incubadoras de empresas. “A ‘métodologia CERNE’ diz o que tem que ser feito na gestão das incubadoras. Agora, como tem que ser feito ou realizado, cada incubadora vai colocar em prática de acordo com suas características, realidade e de acordo com as suas empresas instaladas”, diz Evelin Astolpho, acrescentando que todas as exposições feitas no evento são usadas para melhorar as práticas.

 

Nova visita técnica

Em março de 2016, o CIDE foi avaliado por consultores da ANPROTEC, que verificaram o grau de implantação da “metodologia Cerne”. Este ano, uma nova visita está programada. “A segunda visita técnica, sem data prevista, vai avaliar o que foi implantado em cada incubadora. Para cada centro de incubação fazemos um relatório e passamos à Fapeam. Nessa segunda visita técnica vamos ver o quanto avançou”, finaliza a consultora.

 

Para o diretor executivo do CIDE, José Barbosa Grosso, a metodologia auxilia na avaliação do potencial de cada empreendedor instalado. “Todo o processo de incubação é avaliado. Dessa forma, detectamos as metas, as dificuldades, os riscos, os objetivos e potenciais das empresas residentes aqui”, conclui.

Representantes de sete incubadoras de empresas participaram
Representantes de sete incubadoras de empresas participaram

 

Oc4

 

Oc3

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *